domingo, 21 de setembro de 2008

Sua beleza magistral

Eu sempre fui invejoso.

Tudo começou quando comprei meu primeiro carro. Eu tinha oito anos e o carro era uma miniatura - é claro! - de um Corcel. Os tempos foram passando, mas, como sempre fui de família pobre, não pude ter mais do que dois ou três carros. Todos os garotos da rua tinham muito mais miniaturas do que eu, que possuía mais alguns, mas só brincava com meu Corcel. Aquilo me roía por dentro.

Depois eu cresci. Consegui vencer, comprei um Corcel de verdade, me tornei um grande empresário, passei por cima de todos os garotos da minha rua. Me deixei levar pela frieza do ser. Me tornei esnobe. Não falava com quem não conhecia e, ainda mais, os humilhava como se fossem esterco. Eu era o pior homem do mundo, mas me achava o máximo.

Os tempos foram passando e, quanto mais trabalhava, menos falava com as pessoas, mais dinheiro ganhava. O poder me subiu a cabeça. Me afastei da minha família completamente, mudei de cidade para trabalhar, vivia somente para minha empresa. A essas tantas eu já era o dono.

Até que, um dia, tudo mudou. Estava eu no escritório, trabalhando, tudo certo. Quando minha supostamente nova secretária entrou na sala.

Seu cheiro invadiu a sala, incrivelmente, me intoxicando. Não me liguei, por um instante, olhando para os gráficos no computador, completamente embebido por aquele perfume. Assim que levantei o rosto vi aquele corpo esguio, a face afilada, os olhos grandes, o cabelo jogado para trás num lenço estilizado. Seu cabelo liso e loiro era tão grande e cheirava tão bem a cada passo que ela se aproximava. Não reparei na roupa. Era sua forma que me deixava doido - tanto por cima quanto por baixo. Meu membro começou a se exaltar... Calma, calma, pensei comigo mesmo.

Pode parecer a coisa mais idiota, principalmente para um homem como eu, mas, pela primeira vez na minha vida, eu me sentia apaixonado. E tinha sido à primeira vista! Quanto mais ela se esgueirava pelo meu escritório, mais forte eu sentia seu cheiro. Não conseguia desviar os olhos dela, olhava-a de cima à baixo, enlevado por sua beleza magistral.

Ela apresentou-se:
- Boa tarde, senhor - Educada, já gostei. - Sou Anali, sua nova secretária.
Interrompi-a:
- Vai ficar até quando?
- Até o fim do ano - ela respondeu. Meu órgão se excitou ainda mais. Meu deus, conviver com uma deusa dessa na minha sala, não ia dar certo.
- O que vai fazer hoje à noite? - perguntei de supetão, sem pensar no que estava fazendo. Não tinha como pensar perto dela. Eu estava bêbado da sua presença.
- Ahn... não sei, nada, talvez assistir a um filme na TV. O senhor tem que assinar esses papéis aqui - ela me mostrou uma pilha de papéis que carregava, mas não dei atenção. Só olhava para seu rosto, seus seios, sua barriga, tudo parecia perfeito demais para ser verdade.
- Saia comigo. Às sete, pego você em casa. Esteja pronta e preparada para andar de Ferrari. Acredito que pela primeira vez, sim?
Ela apenas assentiu, vermelha. Tímida, melhor. Estava cansado de mulher atirada demais, como era as que eu pedia.


Às sete apareci na sua casa. Ela apareceu na porta assim que eu estacionei e buzinei. Parecia estar pronta há muito mais tempo do que eu pensaria que estivesse, concluí. Ela entrou no carro de uma forma tão, tão sexy que quase não consegui dirigir. Estava ao meu lado. Seu cheiro me embebedando de novo.

Não gosto de falar de condescendências, porque só foi isso o nosso papo. Ela era realmente muito tímida, então não a levei pra cama logo no primeiro encontro - como era a minha vontade pulsante. Mas, aconteceu que, depois desse dia, me apaixonei. Acordei no outro dia - mesmo sem tê-la na minha cama, se enroscando nos lençóis, seu enorme cabelo largado no travesseiro, seu corpo serpentino passeando pela cama... - com uma paz enorme no peito, uma compaixão tão grande que todos perceberam.

Os dias foram passando, e eu descobri que ela também estava apaixonada por mim. O clima antes tenso da empresa agora era leve e suave como vento. Sua presença mudara tudo ali dentro. Meses depois me aposentei e convidei-a para morar comigo longe dali, onde poderíamos construir nossa família - que era seu sonho e, impressionantemente, descobri que também era o meu. Ela aceitou sem hesitar e fomos morar juntos.

Hoje, ainda tenho o Corcel de miniatura de infância. Lembro de tudo, lembro de como fui ruim para as pessoas e ainda tenho a vontade de voltar e me redimir com todos. Mas primeiro que nem todos daquela época ainda estão vivos e nem sei se, os que restaram, acreditariam em mim.

Me formei um novo homem. E tudo por causa de uma beleza sutil. Parece impossível, mas acreditem, aconteceu.

---

Agora sim, cumprindo o desafio do Jeff. Rá! Não ficou tão ruim assim, ficou?

28 comentários:

JLM disse...

Muito bom, moça

viu como não doeu? o interessante é que vc conseguiu passar uma mensagem feminina mesmo usando um ponto de vista masculino: a mulher certa melhora o homem.

parabéns, continue praticando q vc verá com outros olhos oq já é corriqueiro aos teus.

qq dia passo outro desafio.

1 abraço.

l'esprit fabuleux disse...

ameeeeeeeeeei cara :)
e realmente concordo com o comentário acima o/

boa semana :)

Sergio disse...

Certamente, boas mulheres(e as vzs, nem tanto necessariamente nessa ordem, mulheres só boas também) suavizam até o pior dos homens.

A diferença é que, aos 16 anos, essas idéias nem me passavam pela cabeça oca minha.

Tbm gostei muito, Gota. Só que, dessa vez serei mais rigoroso que o amigo Jef - e farei a observação por aqui mesmo, Já que não há mais dúvidas de que és uma escritora nata. E farei essas observações como leitor. Não como escritor que nem me considero. Humildemente. Entendendo que, com sua idade, seria quase impossível conhecer as melhores possibilidades do vocabulário. E aí, c já sabe, né? Só muita leitura o fortalece!

Vamos lá então: acho que vc podia trabalhar melhor algumas palavras. Por ex: em "completamente embebido por aquele perfume." um "inebriado" cairia melhor. Há outras palavrinhas chave que poderiam ser substituídas lá. Mas o barato é como vc, no texto, é direta ao assunto, como entras no personagem... Um homem de negócios de poucas palavras, muito prático, muito firme. Agindo e falando exatamente como gente assim se comporta...

C não faz idéia do orgulho que me dá de estar por aqui fazendo parte do seu crescimento...

Beijos!!!

Marina Melz disse...

não sei qual foi o desafio, mas foi bem cumprido.

Candy disse...

Vc sempre tão presente e eu, ausente.
=/
Mas to aqui
:D
como vc está??

Li o post anterior tb e a primeira coisa que lembrei foi de uma reportagem que li esse fds que falava de um determinado filme (nao lembro ql), que foi rodado há algumas décadas e foi um choque para sociedade por ser tão violento.
Hoje, o filme vai passar de novo, mas feito hoje em dia. As cenas, dialogos, violencia, sao os mesmos, mas as pessoas que assistiram nao se chocaram.
O filme ficou nais light? Não, a sociedade nao se choca mais com tanta violencia, afinal o que é uma ficção diante do que vemos todos os dias? assassinatos, esquartejamentos, sequestros, sadismo, etc?!
acho que lembrei disso quando vc falou em demonios em forma de gente.
Sei lá, acho que viajei.
hehe

Avi maria como esse homem mudou.
Nós mulheres somos muito f. mesmo!
hahahaha

Boa semanaaaa
;*********

Autor: Techsmith 13 disse...

Desculpa a demora, mas é lóoogico que eu ia te passar o endereço do meu novo blog (tá mais light, inclusive).

Beijo!

(Mr. J.)

kinha disse...

Acho que nunca vi uma pessoa que escreve tão bem.
Continue assim.


Beeeeeeeijos !

.Ná. disse...

Ficou muito bom. O Amor realmente muda as pessoas, ou não.. :/
Bjos

Sergio disse...

A gente é tudo igual em um monte de coisas. Não importa MESMO idade nem sexo. Ontem assim, sem mais nem pq, fiquei meio down. Aí me aparece vc e sua pesquisinha da Daniela. Só isso já deu uma bela levantada no astral!

Amigo é isso, Dimenorzinha. Não dá tempo nem de sentir a falta que ele (vc, no caso) aparece pra nos tirar do bode.
Bejão!

Em tempo: mas faltou o principal, o q o teu livrinho sobre nomes diz do Eduardo?

fabioricardo disse...

engraçado que logo no início do texto, eu já conseguia sentir que esse era um desafio. não sabia dizer se era um desafio auto-imposto, ou de outra pessoa, um tema para se escrever que nem no Duelo, hehe.
Até agora ainda não consigo saber qual exatamente o tema do desafio. mas a historia, apesar de dificil de se acreditar, é uma beleza :)

JLM disse...

para os perdidos, o desafio foi este.

1 abraço.

Dauri Batisti disse...

Que belo blog o seu. Vim agradecer a visita ao essapalavra e veja que terei que voltar mais vezes. Você é uma contadora de histórias, que beleza.

Dauri Batisti disse...

Adorei o visual do seu blog. parabéns.

Dauri Batisti disse...

Quando quiser volte ao essapalavra. Ficarei contente.

Dauri Batisti disse...

Ah, obrigado por te incluido o essapalavra na sua lista. Vou fazer o mesmo incluindo o conto no papel na minha lista.
Beijo e se....ops. rss.

Conde Vlad Drakuléa disse...

Mas ficou genial, adorei a secretária, minha mãe teve um "corcel amarelo 1974", eu adorava o cheiro daquele carro... Cheiro de carro novo, recém-comprado, que nostalgia, era um carrão na época! Sempre simpatizei com esse carro, mas falando mais do texto, que leitura gostosa, és genial com a pena mesmo!!! E eu gostei do final, acho que a vida anda mesmo precisando de mais "finais felizes"... Beijos querida e boa semana!

Layz Costa disse...

Jéssica! =D
Menina, que talentosa você.
ADOREI o conto, adoreeeei!
beijo
=*

Vanessa disse...

Ráaaa
Sabe que você conseguiu escrever um texto masculino numa boa? rs
eu gostei xD
Esse assunto abordado no conto me tocou..
Sabe, eu acredito que a chegada de alguém na vida de outra pode transformá-las tanto pra melhor quanto píor.
Essa foi pra melhor. Ainda bem =]

Kari disse...

Ah! Mas claro que amar muda a gente... A vida fica mais bonita... O sol mais brilhante...
E a gente fica mesmo uma boba, ou bobo, né? hehehehhe

Beijão

máa :* disse...

ficou bom, adorei! :)

e não acredito em amor a primeira vista. mas enfim, talvez exista :*

kilder disse...

seu texto é bem coerente...bem bacana o blog msm!!! t+

LeandrU LimA disse...

Curti =P

Jo disse...

Ei linda,

oxi q perfume hein...queria um desses, aff! rsrs

Olha, tou sabendo que se completará amanhã 17 primaveras dessa libriana inquieta...

Então, muita energia boa pra ti, escreva, escreva muito.E leia tb. Pense que detém um dos mais significativos mecanismo de poder, q ninguém pode tirar de vc.

Parabéns, aproveite bem o seu dia, saúde e paz sempre!

Grande beijo!

Fabrícia ♥ disse...

ê textinho grande , confesso que nao li , li por cima , que to com pressa , mas prometo que volto e leio tudo , tá?
haaha.

mas uma coisa é certa: AMEEEI e babei litros no seu layout ;@
;*

..
*

Sergio disse...

Gotinha... Pinguin de gente, foi então que se deram as tais 17 badaladas do teu reloginho, né? Que seja um dia calmo. Bom pra pensar, fazer planos - que podem até não se concretizar - mas ajudarem você a na hora de lembrar se dizer: "meus projetos nem todos vingaram mas me ajudaram a chegar bem mais adiante".
Acho que é por aí.
Vida farta, Jéssica! Vida muito farta, sem desperdício e com toda a dignidade do mundo procê(zinha).
Beijos!!!

Dauri Batisti disse...

Então, o Sergio falou do teu aniversário e estou eu aqui para te desejar muitas, muitas coisas boas. Que todos os teus dias sejam cheios de contentamentos. Que ao olhar para os anos que passaram te sintas fortalecida para seguir adiante com entusiasmo.
Parabéns,Prabéns.

Beijo.

laemcasa disse...

vc é boa em desafios!
é a força de uma paixão, renova, muda e melhora as pessoas.

beijo

laemcasa disse...

vc é boa em desafios!
é a força de uma paixão, renova, muda e melhora as pessoas.

beijo