sábado, 8 de novembro de 2008

Violino

Eu quero tocar um instrumento musical. Daqueles que tocam o coração. Um instrumento que consiga reproduzir, em notas musicais, tudo o que eu sinto, ou o que estou sentindo. Apenas manifestando sensações, muitas delas que nem sei explicar.

Eu quero provocar, assim como o violino me provoca. Este sim, é que me faz viajar todas as noites antes de dormir, me transporta para lugares indecifráveis. E me mostra histórias, ou estórias, cada uma mais linda do que a outra. Ele me ensina a voar.

Assim como ele me faz voar, eu também quero fazer os outros voarem. Quero declarar todo o meu amor com um instrumento, assim como os violinistas fazem. Quero explicar com música toda minha alegria, e minha tristeza. Quero tocar o coração de todo mundo, que são tão gélidos e escondidos. Quero dar o empurrãozinho ao tímido apaixonado, com a minha música. Quero reacender o fogo daquele casamento de tantas primaveras, quero mostrar o que é felicidade. E o que pode ser triste.

Quero exprimir com o meu dedilhado nas cordas tensas do violino a tristeza de um amor não-correspondido. Eu quero criar uma música longa, que dure uma eternidade, ou apenas alguns segundos. Eu quero descrever o orgasmo em sons musicais. Eu quero entender o valor da vida.

Quero manifestar meu medo do destino em poucos segundos, ou até em horas. Quero mostrar toda minha essência numa só sinfonia. E nela eu também diria que o que eu mais quero para a vida é só o amor. O amor em diversas formas, em varios lugares, em outras pessoas. Quero o amor em qualquer um, e também em mim. Porque se eu amo, você também pode amar. E, é com as retesadas cordas do meu violino que eu também quero ensinar a amar. Um amor louco, apaixonado e intenso. Assim como são as sinfonias do violino que me faz voar.



-
Texto inspirado em:
"Um amor que não é louco nem apaixonado é perda de tempo. Muita coisa é medíocre na vida, o amor não deve ser uma delas."

Frase do filme "Alma de poeta, olhos de sinatra" (Dream for an insomniac), que vi ontem antes de dormir. É antiguinho mas lindo, assistam, tá indicado.

23 comentários:

mel disse...

PRIMEEEEIRA :)

comento de verdade daqui a pouco ;D

milena shoji. disse...

reproduzir sentimentos. admito que sempre tive a vontade de fazer isso. só sei escrevê-los.
mas se fosse escolher algo a mais, seria a dança. amo dançar, e tento me expressar por meio dela.
bjs.

Sergio disse...

Jéssica, pois é: que invejinha remoída eu tenho dos músicos...

Violino é bom pq cabe numa mochilinha. Tem esse lado prático, mas deve ser complicado as pencas, já pensou?

Que tal uma gaitinha pra começar?

Tô brincando, teu texto tá simples mas tão inspirado... Mandou muito bem, viu gota?
Bjo

Conde Vlad Drakuléa disse...

O violino sempre foi um instrumento único e inconfundível! Excelente texto e belíssima photo! Beijos do conde! Voei!

Kari disse...

Que lindo!
O filme deve ter sido realmente bom pra inspirar tais palavras...

Lindo lindo!

Beijos

Paula disse...

Quando se toca uma corda solta num violino, não surge música. Para haver música é necessário tocar várias notas diferentes, numa sucessão agradável de sons. É que na música, como na vida, não existe coerência. Dedilhamos rápido, devagar, produzimos sons agudos e graves, e assim ela surge: a paz fortificante de um objeto inanimado que trazemos para nossa vida.

JLM disse...

Bela crônica, sweet seventeen.

Mas vou ter de discordar da frase, apesar de só ter lido a sinopse do filme.

Para mim, amor é diferente de paixão e loucura e mediocridade. Falar q aquele q ama "um pouquinho" (sem ser louco ou apaixonado) é alguém medíocre é injusto. Melhor um pouquinho q nada! Melhor qq amor q nenhum amor!

Geralmente a loucura está ligada à paixão, não ao amor. E o amor é equilibrado e não caminha, salvo exceções, no extremo da loucura nem no da mediocridade. Como as cordas de um violino, ele não está frouxo demais, senão não emite som algum, nem retesado demais, para não arrebentar as cordas.

O amor precisa estar na afinação certa para sair um som q agrada a todos. Mas se não tiver ainda, há os q o aguentam mesmo assim, por amor, como um filho q está aprendendo a tocar as suas primeiras notas e os pais batem palmas.

Já q vc citou três coisas no texto: amor, filme e música, recomento vc assistir o filme O Som do Coração (August Rush) q é um dos melhores já feitos misturando os 3.

1 abraço e q bom q voltou a escrever. já tava preocupado.

Sergio disse...

"q bom q voltou a escrever. já tava preocupado". Pode não ser aquele amor. Mas é amor de amigo que se preocupa.

Um amor ainda imperfeito, mas aperfeiçoando-se:
"O amor precisa estar na afinação certa para sair um som q agrada a todos. Mas se não tiver ainda, há os q o aguentam mesmo assim, por amor." Onde "aguentar" tem um peso. Porque o amor não é pra ser uma sinfonia agradável o tempo todo. A sinfonia do amor tem lá seu momentos de fúria. A música tem tanta complexidade, que enm sempre se está em sintonia. Mas, amor, não foi feito para amadores, preguiçosos.

Jéssica, vim aqui pra dizer quase nada. Um complemento do monte de idéias que te escrevi por emeio. Mas houve algo que abriu a "cartinha" e que achei q devia reforçar: eu sou teu fã, Dimenózinha. Não sei se dos mais ardorosos, mas, certamente, daqueles que quer acompanhar a carreira. De longe, de perto, mas sempre atento sem te perder de vista.

No fim as palavras de Jeff, disseram tudo: "q bom q voltou a escrever. já tava preocupado".

Fã é fã!

Girl disse...

Sabe que do lado da minha janela tem um cara que fica tocando violino, dia e noite. Acho até que ele vive disso.
Mas não vem ao caso... A verdade é que depois de reclamar por ter que ficar ouvindo música na minha orelha fiquei prestando atenção e... Que música linda! Se você presta bem atenção em um violino, você consegue quase ouvir os sentimentos... Ah, sabe quem mais toca violino? O Daniel.

Jo Bittencourt disse...

hummm, boa dica para filme e muito bem inspirada. Karakas, o blog ficou lindo, amei!

Ah, e do post passado: bom motivo para sumir! rsrsr


Bela, beijocas!

JLM disse...

O filme Sonhando Acordado é ao mesmo tempo uma história romântica e triste e uma ficção de primeira. Me lembrou Vanilla Sky e Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças. Vale a pena, faz a gente pensar na relação entre os sonhos e a vida real.

1 abraço.

Bruna Bianconi disse...

pra mim o violino é mágico :~
texto lindo, parabéns :*

Dual disse...

Olá gironzolavo entre os blogs e aqui estou a saudá-lo em suas férias uma!

Jo Bittencourt disse...

Ah menina do violino, quero sim um lay bem estiloso, rsrs tou ainda baratinada de aconcimentos, mas desejo q ainda esteja de pé meu pedido em relação a isso. E tive uma idéia sobre, mais pra frente te conto por email.

beijocas!

Paradoxos disse...

do escrito ao real - pensado!!

um beijo fraterno!

O ANTAGONISTA disse...

Lindíssimo...
E acho até que você já toca esse tal instrumento... aqui no blog, o que você escreve, quem sabe já não faz tudo isso que você deseja?

Valeu!

Um israel ai disse...

eu toco gaita, todo dia estou a beijá-la pelos jardins da universidade tocando belchior.

Steferson disse...

serei eu o último a comentar esse texto? (sim, estou voltando a minha vida de blogueiro... talvez meu canto precise mais de mim que eu mesmo... i'm so fine, thanks!)

agora, o texto: u-o-w!
amei as notas musicais que você conseguiu inspirar... sabe o quanto amo violinos? quase tanto quanto amo pianos, mas isso é detalhe

jé... devo dizer, não sei se todos sentiram o orgasmo que você queria passar, mas eu o senti... isso foi ótimo


continuarei a ler os abaixo desse... uma hora eu leio todos, ou os que me agradarem, pelo menos


:*

Caito disse...

Ficou muito bom o novo visu,tô om pressa, mas volto logo pra ler o post! rs mas não podia deixar passar.

bjo!

mel disse...

Texto lindo :)

E sim, a música de fato muda muito a vida de qualquer pessoa. Eu não sei muito essas coisas de sons instrumentais, mas, existem algumas músicas e alguns sons que a gente ouve que tocam lá no fundo, que fazem sorrir, chorar ou até ter um pouquinho de esperanças.
Acho que há um bom tempo atrás eu sentia isso que você descreveu no seu texto pela bateria. Mas, ah, com bateria é diferente. Na verdade, gosto da idéia da bateria pela violência do som e ao mesmo tempo pela calma que pode trazer. Isso é bem retratado no Nirvana, com o ótimo bateria Dave Grhol. =)

Beijo Jéssica :*

kinha disse...

Texto lindo demais.
Que o sonho venha em cada dedilhada, e que o ar doce passe por suas narinas a cada segundo.
Aproveite, essa é o verdadeiro sentido de amar.

Ame a vida como um violino.

Lu disse...

Olá, tudo bem???
Resolvi conhecer um pouquinho seu cantinho e A-D-O-R-E-I!
Principalmente esse texto sobre o violino...para mim, trata-se de um instrumento que parece ter alma, é lindo demais. Suas harmonias são tão singelas e transmitem emoção.
Eu amo..infelizmente ainda não o toco, mas, esse é um dos meus planos para o ano que vem.
Desejo-te cada vez mais inspiração!

Beijos.

P.S.: Se quiser, dá uma "passadinha" no meu blog ;)

Cosmunicando disse...

"ouvi" daqui o seu texto, muito lindo... música pra mim é algo que vai além da palavra, alcança lugares dentro da gente que são intraduzíveis.
Que bom ver isso por aqui também =)
beijos