quarta-feira, 25 de novembro de 2009

E aí a velha chama vai reacender...

Eu ia postar esse texto só quando o livro do 3° ano fosse publicado, e foi o que aconteceu ontem. É diferente do que já foi escrito por aqui, mas não deixa de ser eu, meu texto, portanto sempre tem algo pessoal. E como estou sem inspiração pra nada novo, falar de si é sempre mais fácil do que dos outros.
Lembrando que eu não vou ganhar dinheiro com esse livo, é só uma publicação que acontece todo ano no Marista, que os alunos do 3° ano fazem um texto representando sua passada pela escola. Bem, espero que tenha ficado bom.

--

É muito pouco falar sobre o Pio X em apenas duas páginas. O tanto que este colégio me proporcionou daria um livro inteiro, digno de páginas incontáveis, e ainda assim faltaria alguma coisa. Posso não ser uma daquelas alunas que viveram décadas nesta escola, mas com certeza tenho histórias para contar aos meus netinhos dos três anos de ensino médio que passei aqui.

Lembro de ter entrado no Pio X já com amizade garantida – uma amiga minha de tempos passados também estudava lá e estava na mesma sala que eu. Assim, seguindo o tom extrovertido e vivaz dela, ficou mais fácil conhecer o resto das pessoas. Em pouco tempo, eu já tinha intervalos animadíssimos, regado a música, trufas e muita, muita risada. Era o começo das grandes amizades construídas até hoje.

Os meses foram passando e cada dia parecia ser uma experiência nova, um brilho a mais nos olhos de cada um. O 1°D ficou conhecido, no começo por sua quietude, depois por seus excessos. Fomos do oito ao oitenta, e assim ficamos tão unidos, que fomos capazes de vencer concursos culturais e peças de História. Tudo com esforço e muito estresse. Mas que valeu as recompensas finais.

Algo no primeiro ano me dizia que aquilo não era por acaso. Não fora por acaso que eu entrara naquela escola, e mudara completamente meu círculo social, minha rotina, até mesmo meu comportamento e muitas das minhas opiniões. Não fora por acaso que tanta gente especial cruzou meu caminho, e ajudou a construir a minha história pelo Marista. Tinha que ser destino.

Porém, eu que achava que essa chama acesa de magia do primeiro ano ia durar para sempre, no segundo mudou totalmente. Mas, de novo o destino me pegou e me fez conhecer a outra metade da laranja – ou melhor, da sala. É incrível como o lugar na sala faz diferença, e como pessoas totalmente diferentes convivem no mesmo espaço. O meu segundo ano resumiu-se a um altão magrelo com idéias de mudar o mundo e uma pequena saltitante feita de porcelana e carisma. Acho que já me acostumei tanto a tê-los por perto que não consigo enxergar meu futuro sem os dois. E sem mais alguns, que vieram com o terceiro ano.

É neste ano que chega a época do “ahh, que saudade”. É o ano, também, que tudo passa mais rápido do que você consegue contar, e se você não aproveitar tudo a tempo, acaba perdendo momentos inesquecíveis. Quando menos espera, já chega o fim do ano e o que você menos quer é deixar tudo aquilo para trás.

Eu não esperava que o terceiro ano me proporcionasse tantas surpresas. Ao me aproximar de pessoas tão diferentes, me vi tendo de enfrentar obstáculos quase intransponíveis para encontrar ouro. Mas valeu à pena: hoje não sei o que seria de mim se não fosse os dois garotos mais engraçados da escola, a porcelana saltitante, um garoto que traz nas costas um futuro brilhante, e a garota mais complexa e inesperada (talvez) do universo.

Não excluo, assim, as amizades de longa data que construí no primeiro ano. Essas, do contrário, ficam cada dia mais forte – e eu sei que com muitos eu vou poder contar, em qualquer situação que estiver. Acho que agora posso ter certeza de que, sim, eu tenho amigos de verdade. E mesmo que o tempo nos afaste, o que é um mal inevitável, a qualquer hora que nos reencontrarmos, seja em alguma cafeteria de Londres ou na praia de Tambaú, a chama nos olhos de cada um vai reacender. E eu vou ter certeza: aquilo só pode ser amizade.

Amanhã vai ser um novo dia, e o futuro nos espera. Um futuro que só pode ser descrito como página em branco: você não sabe o que vai lhe acontecer quando colocar, definitivamente, os pés para fora da escola e não mais voltar para assistir uma aula. Pode até voltar para visitas, como muitos ex-alunos, mas não será a mesma coisa de vestir a farda de manhã e sair de casa perguntando-se de quem será a primeira aula.  O tempo é cruel, e ninguém sabe mesmo o que pode nos acontecer daqui para frente.

Estamos à deriva de tudo.

No entanto, não sei se estou naquela fase nostálgica de “não querer sair da escola”. Do contrário, estou com o lápis na mão e as idéias na cabeça prontas para começar a escrever neste papel branco, só estou esperando a Grande Decisão Do Ano: o chamado Vestibular.

Enquanto isso não acontece, a gente vai aproveitando cada momento ao lado de quem ama, sempre contando com a velha esperança que eles não vão nos deixar nem tão cedo – e se vão, a gente também espera que eles reapareçam lá pela metade da Página Branca Chamada Futuro. E aí aquela velha chama nos olhos vai reacender...

Jéssica Maria Brasileiro de Figueiredo – 3° C

7 comentários:

Katrina disse...

Fiquei emocionada, lembrando da minha época de colegial, do que eu esperava, do que me esperava. A vida é uma caixinha de pandora, a bem da verdade.

Tatiane Trajano disse...

Engraçado... No meu terceiro ano eu dava o MUNDO pra que tudo terminasse logo. Não fiquei saudosa com a chegada do final do ano, pelo contrário, foi um alívio.
Acho que até sei pq, meus amigos tinham se perdido pelo caminho. E naquela nova escola, eu não conhecia quase ninguém. ¬¬

Leon K. Nunes disse...

Escrever sobre a vida no colégio em apenas duas páginas é difícil mesmo. Eu absolutamente não conseguiria. Quem dera minha escola (CEFET) publicasse um livro com coisas dos alunos. Mas eles deram uma força legal na publicação da primeira revista. Seria legal isso, ler experiências das pessoas, sobre amizades, sobre tudo, nos anos de escola. Eu não fui como você, não tive tempos tão bons, não tive turmas fixas, não terminei o ensino médio no prazo.... meu ensino médio foi um fracasso absoluto mas em compensação foi bastante movimentado né, fui presidente do Grêmio, viajei pra caralho, fui chamado de ladrão por toda a escola, fiz passeata, xinguei o prefeito na mesa de reunião dele, e até namorei nesse período, quem diria rs... às vezes sinto falta, como tu, das pessoas com quem estudava; mas é uma falta muito pontual, porque não tenho saudade de fato... as turmas, em geral, eram muito ruins. Sem dúvida, o que havia de pior naquela escola. É bom ver que, no teu caso, houve bons amigos de fruto. Também me restaram uns e outros daquele período. Um beijo, até logo.....

Vini Manfio disse...

fiquei quieto aqui lembrando dos meus tempos de ensino médio...

obrigado

Carolzinha ♥ disse...

Falta apenas um ano para o 3º chegar , e eu estou com medo.Digo isso,porque sei que todo mundo vai seguir a sua vida e nada vai ser como antes.Isso é triste e doloroso.
É como se eu estivesse dando adeus para uma parte da minha vida.A gente nunca esquece né? Mas são lembranças e experiências que levamos para a vida inteira. :)


beeijos!

Rodrigo Oliveira disse...

Oi, Jéssica. vi seu comentário lá no meu blog. Aquela ideia de que existe um outro de nós vivendo por aí para explicar o Deja vu, pode dar um bom caldo, hein? Curti. Quem sabe pinta um texto a partir disso. Ia ser legal ler. Meio realidade fantástica, saca? Bom, bobagem minha, mas curti a ideia e resolvi contar pra vc. bjo. (se escrever alguma coisa com isso, manda um recadinho pra eu dar uma conferida, vai ;)

Rafael disse...

Já disseram que no meio do caminho tinha uma pedra e que tinha uma pedra no meio do caminho, mas no meu tinha muito mais que uma pedra e um caminho, eu pude encontrar um bônus: um caminho tortuoso e cheio de dificuldades + pessoas indispensavelmente únicas pra mim, e você não sabe o quão orgulhoso você me deixa a cada dia que passa, a cada pequena simples palavra ou sorriso, que você abre com as asneiras que eu sempre digo, o fim de uma etapa inicial de nossas vidas está acabando, mas antes quero que você saiba que eu me diverti muito em poder dividir esses poucos 2 anos em sua companhia. *-*