domingo, 4 de julho de 2010

Enchi o saco, adeus.

O que fazer quando o enjôo bate? Quando você enjoa de algo que você costumava fazer, por muito tempo, e que gostava tanto. Então, de repente, bate aquela má vontade. Aliás, bate a não vontade - você nem tem mais estiga para entrar naquele site, falar com aquela pessoa ou fazer tal coisa. Mas, você lembra, melancólico, como antes as coisas eram diferentes. Era tão bom escrever ali, criar novos textos, novos mundos. Era tão gostoso conversar com aquela pessoa, contar tuas histórias, ouvir as dela, discutir teorias loucas, gostos, música e afins. Como isso acontece? Porque as pessoas deixam de fazer as coisas que gostam/gostavam?

Enjôo. Cansaço. Passou. Fase nova, vamos lá. Será que é isso que está acontecendo comigo? Penso que seja. Afinal, minha "adolescência" acabou quando tornei-me 'adulta' e fiz dezoito anos. Não sei que nóia é essa de todo mundo achar que não está crescendo, não está mudando. É claro que estamos mudando! O tempo inteiro somos diferentes do tempo que acabou de passar. Um minuto atrás, éramos alguém, e agora somos diferentes! É claro que não podemos mudar uma pessoa por completo em apenas dois minutos - mas não é a união desses pequenos minutos "nos mudando" o tempo inteiro que, no final, nos faz mudar de atitude? Nos faz envelhecer? Nos faz tornarmos pessoas melhores ou piores? Cada minuto conta. Cada minuto muda.

E eu me sinto diferente. Eu me vejo hoje diferente da garotinha de 15 anos que escrevia continhos bonitinhos, encantando os olhos adolescentes das pessoas que me liam. Tudo ali era eu, descobrindo um mundo novo, cheio de sentimento, magia e narração. Hoje eu sei que não sou mais isso tudo - porque tudo fez parte de um processo de crescimento. E agora, ao entrar aqui novamente, sinto que viajo no tempo e volto aos meus 15 anos. Só que sem a estiga, sem a narrativa pulsando do meu coração, sem toda aquela magia que era do começo. Tudo era muito bom, demais, lindo, maravilhoso naquela época. Só que passou.

Não sei se posso dizer que cansei. Não sei se quero um dia deixar de escrever. É assim que melhor me expresso, e não sei outro modo qual eu possa mudar. Talvez o mundo me faça mudar, e eu me adapte a uma nova maneira de expressar idéias. De contar histórias. Talvez. Mas, quem garante que o passa-passa de informação vai acabar? E eu espero, com toda força do meu coração, estar no meio desse "passa-passa", passando, transmitindo, interagindo e comunicando a todas as pessoas do país em que eu estiver. Eu espero, realmente, que isso funcione e que dê certo. Porque, não tem como ser a toa que vou gastar 4 anos de universidade para no final, não ter criado nada.

Isso tá muito revoltante, eu sei. Esse blog já passou do climazinho amorzinho que ele tinha antes. Agora, eu mudei. E ele vai ficar aqui, como uma boa lembrança do que eu era. Não sei se é porque meu curso está para começar - AMÉM SENHOR! - ou se posso um dia, quem sabe, voltar. Mas, não vou fazer como fiz com as minhas piores lembranças da adolescência negra, e sair apagando tudo com vergonha de mostrar. Deixa ele aqui. No "sótão", como vi em Toy Story 3. É um lugar quentinho, reservado, e especial. Para quando, a qualquer momento que eu quiser fazer uma viagem no tempo, eu vou lá. E aí, não sei se volto. Mas, se voltar, com certeza vai ser diferente.

Porque, o tempo todo, estamos mudando. E eu não vou ser a rabugenta de dizer que eu também não estou diferente.

Por hora, esse é um adeus.


6 comentários:

Leon K. Nunes disse...

Eu sempre fui avesso às mudanças. Na minha condição, só podia me sentir tranquilo quando as coisas estavam estáticas. Não acredito em mudança; como dizia um gaúcho muito tempo atrás, tudo o que se pode escolher na vida é irrelevante... só é importante na vida o que não se pode escolher: Jimi Hendrix não escolheu tocar guitarra, Pelé não escolheu jogar futebol, e as coisas se encaminharam para que isso acontecesse. A minha vida foi sempre isso, uma coisa não muito autônoma, se encaminhando sempre num certo sentido, e tudo o que eu gostava de fazer antes eu continuo gostando agora, mas as pessoas mudam - na minha vida costumam durar muito pouco tempo - e apenas todo o resto permanece, e eu percebo nele tudo que antes me inspirava, mas não me inspira mais tanto.

Desejo sorte no outro blog, não sei se esse é o fim definitivo do Contos no Papel, mas se for devo dizer que tudo o que foi feito aqui não merece mesmo ser deletado (aliás, eu não acredito em nada que possa ser deletado). Foi obra, pensamento, sentimento, foi uma consequência, um depositário, muitas coisas numa só.

Sabe por que nunca deixei de vez o Literatura Vil mesmo com os tempos de vacas magras? Porque nunca consegui fazer uma carta de despedida suficientemente boa tal como eu acho que ele merece. Esse é, aliás, uma resposta também para o fato de eu nunca ter me suicidado.

E não confie muito que vai criar algo após os anos de universidade...

Um beijo, que a estrada lhe seja leve.

Leon K. Nunes disse...

Sabe de uma coisa que tenho notado? Eu escrevo em blogs desde 2004, e lia blogs acho que um ou dois anos antes disso, e me lembro bem que tempos depois que comecei a escrever, toda uma grande rede de blogs estava se exaurindo... os blogs estavam em completa decadência, desatualizados, negligenciados, até que, finalmente, foram fechados - alguns permaneceram, o que eu acho sensacional...

Daí em 2007 surgiu uma nova onda no mundo dos blogs, com a popularização do Blogspot (antes eram quase todos do UOL), e estes eram, claro, mais elaborados, com visual mais destacado e, muitas vezes, com conteúdo de alto nível. Percebi um pico aí num certo momento, mas agora vejo que as coisas estão se desandando novamente, e vários dos blogs que leio - e outros blogs que não leio - estão nesse mesmo ritmo, em câmera lenta, devagar, quase parando, até que se chegue à estagnação completa, inexorável.

É de se lamentar, como sempre lamentei pelos blogs que lia sete anos atrás...

JLM disse...

oi, sweet. pena vc parar. pra nós.

mas se estiver afim de um desafio, dá uma olhadinha lá no www.duelodeescritores.com.br. talvez a nova proposta lá te anime a escrever uma coisa ou outra.

um abraço do sempre teu leitor crítico

Inercya disse...

Que triste, achei seu blog tao fofinho e chego no ultimo post. :x
Mas entao boa sorte na sua faculdade. :*

Camila Scarpa disse...

eu achei teu blog tão meiguinho, e justo no ultimo post :/
#pena

boa sorte na faculdade linda.

Candy disse...

Demorei tanto pra voltar que vc mudou de casa.
o_O

e me sinto assim como vc, me da uma melancolia de lembrar o quanto ja escrevi e o quanto meu blog ja deu certo e se encaixou na minha vida. Agora, depois de tantas mudanças, as coisas estão mtooo diferentes e vou empurrando meu blog com a barriga.
*seus contos me encantavam MUITO!

beeeijo